<$BlogRSDUrl$>

17.3.04

FRASES QUE SE MOVEM


Um ponto fundamental é preciso destacar no meu livro "Ao Redor do Escorpião...Uma Tarântula?": as frases que se movem. O texto está montado em cerca de apenas duzentas frases que se movimentam, criando novas possibilidades de leitura. De forma que, de acordo com a função, podem integrar uma área de bom ou de mau gosto. O importante é observar que elas giram como num caleidoscópio. Algo novo. Essas frases se reúnem no episódio final para intensificar a relação sexual entre Alice e Leonardo. Basta ler. Ler, observar e destacar. Não esquecendo nunca que o livro é publicado pela Editora Iluminuras, de São Paulo.
|
FRASES QUE SE MOVEM


Um ponto fundamental é preciso destacar no meu livro "Ao Redor do Escorpião...Uma Tarântula?": as frases que se movem. O texto está montado em cerca de apenas duzentas frases que se movimentam, criando novas possibilidades de leitura. De forma que, de acordo com a função, podem integrar uma área de bom ou de mau gosto. O importante é observar que elas giram como num caleidoscópio. Algo novo. Essas frases se reúnem no episódio final para intensificar a relação sexual entre Alice e Leonardo. Basta ler. Ler, observar e destacar. Não esquecendo nunca que o livro é publicado pela Editora Iluminuras, de São Paulo.
|

12.3.04

Morte à velha estética

Lancei meu livro "Ao Redor do Escorpião...Uma Tarântula" faz uns dias e ali lancei a proposta de uma nova estética literária, considerando o surgimento do terceiro estilo - aquele estilo das coisas que não têm estilo, proposta pelo cubano Alejo Carpentier, em ensaio escrito faz algum tempo. Observando as cidades do terceiro mundo, ele apregoava que elas reúnem estilo diversos, que vão do mau ao bom gosto, tudo dentro de um só sistema. Ou seja, uma rua com edificações barrocas, clássicas, modernas, feias e belas, tudo misturado, criando um modelo de algo inteiramente inusitado. Para mim, essa leitura das cidades pode ser levada para a literatura, no instante em que os estilos sofreram modificações incríveis, não havendo mais lugar para a velha estética, baseada nos modelos tradicionais de belo e feio. Não existe mais o belo nem o feio - existe um mundo completamente novo, que não pode ser lido com as lentes do passado. Temos um novo mundo e uma nova estética. As cores se misturam, o mundo se desencanta, as palavras ganham outra conotação. Não podemos aceitar o conservadorismo literário.
|

This page is powered by Blogger. Isn't yours?

Weblog Commenting and Trackback by HaloScan.com